FMS irá ampliar o fornecimento de prótese dentária em Teresina

O simples ato de sorrir deixou de ser natural para Maria das Dores, de 76 anos de idade, moradora do bairro São Sebastião, zona sul de Teresina. Ela conta que, por ter perdido os dentes, enfrenta problemas digestivos e de retração social e que verá essa realidade mudar quando receber a sua prótese dentária pelo SUS, no próximo sábado (01). “Vai mudar tudo, eu não sorrio, tenho vergonha. As minhas netas são loucas por mim e vivem me pedindo isso. Tenho fé que vai chegar o dia e elas vão me ver com um sorriso bonito”, conta.

Segundo Giovanni Telmo, gerente de Saúde Bucal da FMS, para resolver problemas semelhantes ao de Maria das Dores, como casos de perda total ou parcial de dentes, o Ministério da Saúde, por meio da Política Nacional de Saúde Bucal, tem incentivado a expansão da oferta de prótese dentária na Atenção Básica. “Em Teresina, cerca de 40 dentistas em 27 Unidades Básicas de Saúde (UBS), gerenciadas pela Fundação Municipal de Saúde, já realizam este procedimento. Agora, o serviço será expandido para 38 UBS, já que 28 odontólogos estão realizando curso sobre o tema”, afirma.

O professor de prótese dentária e periodontia da Universidade Potiguar, Arcelino Faria, afirma que o curso sobre prótese dentária que está sendo ofertado aos odontólogos da rede municipal pela Fundação Municipal de Saúde conta com o apoio da Associação Brasileira de Cirurgião Dentistas e Conselho Regional de Odontologia: “Estamos fazendo um protocolo simplificado de tratamento (de prótese dentária), mas tudo baseado em evidências científicas e o mais importante: sem alterar a qualidade do serviço oferecido à população”.

Ele explica sobre o impacto fisiológico e social ocasionado pela perda de dentes: “A perda de dentes, além da influência na estética, contribui para a reclusão social da pessoa, por causa da vergonha, limitação social e deficiência nutricional. Tem estudos que mostram que a perda de dentes total também pode ser um fator de risco para o estado de demência, de redução da capacidade cognitiva ao longo do tempo, pois o fluxo sanguíneo para o cérebro, no ato da mastigação, fica modificado e áreas cerebrais deixam de ser ativadas”, afirma.

A odontóloga da FMS, Luma Moura, alerta que os usuários devem ir periodicamente ao dentista, mesmo que não estejam com sintoma algum e relembra um atendimento de rotina na Unidade Básica de Saúde em que o diagnóstico precoce foi fundamental para o tratamento do paciente: “Esse caso me marcou muito. O meu paciente foi fazer restaurações normais e verifiquei no exame uma lesão, que nem tinha sido percebida por ele, e então o encaminhei para fazer a biópsia. O diagnóstico foi câncer de boca, mas fez o tratamento e se recuperou”.

Segundo o odontólogo da FMS, Luzinaldo Teixeira, é fundamental que o paciente que tenha colocado a prótese procure auxílio do dentista se sentir qualquer desconforto ou irritação: “A prótese tem que restaurar função, que é a mastigação, ajudar na formulação das palavras e dar uma boa aparência estética, não podendo causar nenhum desconforto ou irritação na gengiva. Nestes casos, deve-se procurar o dentista para tratar o agente que está causando o problema ou até mesmo refazer a prótese, se o problema for muito persistente”, afirma.

“Antigamente, a odontologia era muito mutiladora, os dentistas não eram preparados para trabalhar a intervenção diante de qualquer problema simples e geralmente optavam pela exodontia, que era o método que acabava com a dor momentânea, mas criava um grande problema. As próteses dentárias não eram disponibilizadas no serviço publico e as pessoas tinham que recorrer ao serviço privado, sendo que muitas não tinham condição financeira. Hoje, o Ministério da Saúde, a Prefeitura de Teresina já estão proporcionando isso para as pessoas, substituindo os dentes perdidos.”, relembra Luzinaldo Teixeira.

De acordo com o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Charles da Silveira, houve um aumento progressivo do fornecimento de próteses dentárias em Teresina: “Já fornecemos cerca de 14.388 próteses dentárias na capital piauiense e temos nos esforçado para melhorar cada vez mais a assistência odontológica prestada à população. Iremos realizar também campanhas maciças de incentivo à higiene bucal para evitar o aparecimento de doenças na boca e, consequentemente, no restante do organismo”, afirma.

Conheça o fluxo do atendimento odontológico pelo SUS

Giovanni Telmo, gerente de Saúde Bucal da FMS, explica sobre o fluxo do atendimento odontológico pelo SUS em Teresina, que inicia nas Unidades Básicas de Saúde (UBS): “Na Atenção Básica, realizamos avaliação da saúde bucal, profilaxia (limpeza) e remoção de tártaro supragengival, procedimentos restauradores, extrações dentárias e atuamos também na escala preventiva, associando palestras sobre escovação dental supervisionada e aplicação tópica de flúor.”

Nos casos de maior complexidade, as UBS encaminham os usuários para um dos 02 Centros de Especialidade Odontológica: “Quando tem complexidade maior nos procedimentos odontológicos, referenciamos para o CEO. Ali, são realizados tratamentos de canal, periodontais, cirúrgicos de maior complexidade e destacamos também o atendimento a pessoa com deficiência bem como que o Centro atua em complemento com Atenção Básica para diagnóstico do câncer de boca”, finaliza.

LEIA TAMBÉM