Centro Municipal de Atendimento Multidisciplinar completa dois anos

Fazer com que crianças e adolescentes com transtornos e dificuldades de aprendizagem tenham um desenvolvimento maior através das suas habilidades cognitivas, sociais e emocionais, é o objetivo do Centro Municipal de Atendimento Multidisciplinar Professora Ceiça Carvalho (CMAM), que completa dois anos nesse mês de abril.

Daniela Escórcio, diretora do CMAM, comemora os atendimentos enfatizando que em Teresina não existia nenhum centro público voltado para essa área. “Realizamos dois tipos de atendimentos, o médico, com neuropediatra e psiquiatra e temos também o atendimento terapêutico, com psicólogos, psicopedagogos, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos e assistentes sociais”, explica.

O Centro atende crianças e adolescentes com idades entre 5 a 16 anos e que são encaminhados pelas escolas da Rede Municipal de Ensino com suspeita de algum transtorno, como, dislexia, transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDH), transtornos emocionais e de fala.

Daniela explica como é feito o tratamento após o diagnóstico médico. “A criança em atendimento médico conforme observação do profissional, que avalia a necessidade, realiza o encaminhamento para o atendimento terapêutico. Essa é a nossa maior diferença, a criança faz o atendimento no próprio Centro com a média de três profissionais”, destaca.

A terapeuta ocupacional Priscila Buhatem, que realiza atendimentos no CMAM desde sua inauguração, explica que o atendimento em forma multidisciplinar trabalha com as crianças e adolescentes no aspecto global, desenvolvendo a mente e o corpo juntos. “O nosso papel é trabalhar com as atividades psicomotoras para preparar os alunos para o seu desempenho escolar”, esclarece.

O CMAM é uma parceria entre a Fundação Municipal de Saúde (FMS), que disponibiliza para as crianças os profissionais capacitados e marcação de consultas quando necessário, com a Secretaria Municipal de Educação (SEMEC) que dá o apoio referente ao material terapêutico utilizado e o feedback das escolas com os resultados escolar dos pacientes.

Outra parceria importante no tratamento das crianças e adolescentes parte da família ou responsável legal. “O nosso trabalho é em tríade, o CMAM, a escola e a família. A escola fica acompanhando junto à família para que a criança não falte aos atendimentos”, enfatiza Daniela.

Yara Nascimento faz parte da equipe de Assistentes Sociais e entende a família como um dos personagens principais de todo o processo. “Criamos o projeto ‘Dialogando com as Famílias’ através de rodas de conversas. É uma forma de reforça a importância do papel deles no tratamento das crianças atendidas e mostrar o quanto isso é valorizado”, diz.

Gorgiana Gomes, mãe de uma das crianças atendidas pelo CMAM compactua com as ideias do projeto. “Aqui é como se fosse uma família. O meu filho é atendido há dois anos e eu vejo muita diferença no comportamento dele. Somos muito bem atendidos e nossas vidas melhoraram”, afirmou a mãe.

Desde sua inauguração em 2017, o CMAM já realizou cerca de 2.468 consultas médicas e 13.690 sessões terapêuticas, com 863 crianças atendidas. “O trabalho é colaborativo em todos os níveis, distribuídos em uma rede de parceiros internos e externos, para que assim seja proporcionado para a criança um bem estar maior com um serviço de qualidade vindo de um grupo de profissionais que se doa ao serviço”, finaliza a diretora Daniela.

LEIA TAMBÉM